Ir direto para menu de acessibilidade.
Brasil – Governo Federal | Acesso à informação
Página inicial > Informe Saúde > Informe Saúde: Dia Nacional de Combate à Sífilis e à Sífilis Congênita
Início do conteúdo da página
Informe Saúde

Informe Saúde: Dia Nacional de Combate à Sífilis e à Sífilis Congênita

  • Publicado: Quinta, 22 de Outubro de 2020, 17h32
  • Última atualização em Quinta, 22 de Outubro de 2020, 17h38
  • Acessos: 315

O 3º sábado do mês de outubro foi instituído como Dia Nacional de Combate à Sífilis e à Sífilis Congênita por meio da Lei nº 13.430/2.017 e tem como objetivos estimular a participação dos profissionais e gestores de saúde nas atividades comemorativas da data, com vistas a enfatizar a importância do diagnóstico e do tratamento adequados da sífilis na gestante durante o pré-natal e da sífilis em ambos os sexos como doença sexualmente transmissível. A data já passou, mas os cuidados para não ficar doente tem que ser sempre. Conheça mais sobre a doença  e previna-se!

A Sífilis é uma infecção causada pela bactéria Treponema pallidum. É curável e exclusiva do ser humano, tendo como principal via de transmissão, o contato sexual, seguido pela transmissão para o feto durante o período de gestação de uma mãe com sífilis não tratada ou tratada inadequadamente. Também pode ser transmitida por sangue contaminado. 

Transmissão

A sífilis é transmitida por meio das relações sexuais desprotegidas, sangue ou produtos sanguíneos, da mãe para o filho em qualquer fase da gestação ou no momento do parto (sífilis congênita) e pela amamentação. 

Sífilis no Brasil:

Em 2015, o número total de casos notificados de sífilis adquirida no Brasil foi de 65.878. No mesmo período, a taxa de detecção foi de 42,7 casos por 100 mil hab., sendo a maioria em homens, ou seja, 136.835 casos (60,1%). No período de 2010 a junho de 2016, foi registrado um total de 227.663 casos de sífilis adquirida.

Em gestantes, no ano de 2015, a taxa de detecção de sífilis foi de 11,2 casos de sífilis em gestantes a cada 1.000 nascidos vivos, considerando o total de 33.365 casos da doença. Já de janeiro de 2005 a junho de 2016, foram notificados 169.546 casos. Com relação à sífilis congênita, em bebês, em 2015, foram notificados 19.228 casos da doença, uma taxa de incidência de 6,5 por 1.000 nascidos vivos. De 1998 a junho de 2016, foram notificados 142.961 casos em menores de um ano. O incremento entre os anos de 2013 e 2014 foi de 26,77% e entre os anos de 2014 e 2015 foi de 20,91% no número absoluto de casos novos diagnosticados.

Sintomas

Os sinais e sintomas da sífilis variam de acordo com o estágio da doença, que se divide em: 

Sífilis latente:

Não aparecem sinais ou sintomas. É dividida em sífilis latente recentee sífilis latente tardia. A duração é variável, podendo ser interrompida pelo surgimento de sinais e sintomas da forma secundária ou terciária. 

Sífilis primária:

Ferida, geralmente única, no local de entrada da bactéria (pênis, vulva, vagina, colo uterino, ânus, boca, ou outros locais da pele), que aparece entre 10 a 90 dias após o contágio. Essa lesão é rica em bactérias, normalmente não dói, não coça, não arde e não tem pus, podendo estar acompanhada de ínguas (caroços dolorosos) na virilha. 

Sífilis secundária:

Os sinais e sintomas aparecem entre seis semanas e seis meses do aparecimento e cicatrização da ferida inicial:

- manchas no corpo, que geralmente não coçam, incluindo palmas das mãos e plantas dos pés;

- febre, mal-estar, dor de cabeça e ínguas pelo corpo. 

Sífilis terciária:

Pode surgir de dois a 40 anos depois do início da infecção. Os sinais são lesões cutâneas, ósseas, cardiovasculares e neurológicas. Uma pessoa pode ter sífilis e não saber, isso porque a doença pode aparecer e desaparecer, mas continuar latente no organismo. Por isso é importante se proteger, fazer o teste e, se a infecção for detectada, tratar da maneira correta. O não tratamento da sífilis pode levar a várias outras doenças e complicações, inclusive à morte. 

Sífilis congênita:

É a infecção transmitida da mãe para o bebê e pode ocorrer em qualquer fase da gravidez. O risco é maior para as mulheres com sífilis primária ou secundária. A sífilis materna, sem tratamento, pode causar má-formação do feto, aborto espontâneo e morte fetal. Na maioria das vezes, porém, o bebê nasce aparentemente saudável e os sintomas aparecem nos primeiros meses de vida: pneumonia, feridas no corpo, alterações nos ossos e no desenvolvimento mental, surdez e cegueira.

 

Tratamento

O tratamento é feito com antibióticos e deve ser acompanhado com exames clínicos e laboratoriais para avaliar a evolução da doença e estendido aos parceiros sexuais. A sífilis é uma infecção curável, com tratamento relativamente simples, mas pegar uma vez não promove imunidade. Nas formas mais graves da doença, como na fase terciária, o não tratamento adequado pode levar à morte. 

 

Prevenção

O uso de preservativos (tanto femininos como masculinos) durante todas as relações sexuais (inclusive anais ou orais) é a maneira mais segura de prevenir a doença; o acompanhamento das gestantes e dos parceiros sexuais durante o pré-natal contribui para o controle da sífilis congênita.

 

FONTE

http://bvsms.saude.gov.br/ultimas-noticias/3076-19-10-dia-nacional-de-combate-a-sifilis-e-a-sifilis-congenita

https://www.febrasgo.org.br/pt/noticias/item/15-a-data-passa-a-ser-lembrada-todo-terceiro-domingo-do-mes-de-outubro

Setor Ambulatorial do IFPA Campus Belém

Fim do conteúdo da página
-->