Ir direto para menu de acessibilidade.
Brasil – Governo Federal | Acesso à informação
Página inicial > Informe Saúde > Informe Saúde: Dia Mundial de Combate à Aids
Início do conteúdo da página
Informe Saúde

Informe Saúde: Dia Mundial de Combate à Aids

  • Publicado: Quarta, 02 de Dezembro de 2020, 11h09
  • Última atualização em Quarta, 02 de Dezembro de 2020, 11h09
  • Acessos: 125

No dia primeiro de dezembro, relembramos o dia mundial de combate à aids. Nesses quase 40 anos desde o início da pandemia causada pela ocorrência de infecções pelo HIV, essa doença continua sendo um desafio em saúde pública mundial, com impacto em mortalidade de mais de 35 milhões de pessoas até o momento. Estimativas mundiais sugerem que 75 milhões de indivíduos foram infectadas pelo HIV desde o início da pandemia.

No ano de 2019 estimava-se que cerca de 37,9 milhões de pessoas vivam com HIV/aids (PVHA) no mundo, sendo 36,2 milhões de adultos e cerca de 1,7 milhões de crianças e adolescentes até 15 anos.

A infecção pelo HIV possui distribuição de caráter pandêmico e apresenta tendência de estabilização dos indicadores no Brasil e no mundo. Porém, em determinados grupos sociais, registra-se um crescimento das taxas de detecção nos últimos anos, especialmente em idosos, jovens, homosexuais, transexuais e transgêneros, privados de liberdade, profissionais do sexo, populações negras e indígenas.

Nesta década, está lançado o desafio para o desenvolvimento de novas drogas, com menos efeitos colaterais, de longa duração, posologias mais confortáveis; além de desenvolvimento de terapias para a cura e de vacinas.

Ainda temos muito a avançar no combate ao HIV/aids, entretanto, o estigma e o preconceito estão ultrapassados. Como sociedade civil almejamos ao direito à vida, ao direito reprodutivo, às garantias sociais, à equidade, direito à saúde, garantias trabalhistas, e ao direito de amarem e serem amadas de todas as PVHAs.

Diagnóstico e tratamento - No Pará, o princípio básico para o indivíduo saber se possui Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) e Aids é se dirigir a uma Unidade Básica de Saúde. Dependendo da rede de articulação do município, a pessoa pode fazer o teste gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em um dos 80 Centros de Testagem e Aconselhamento (CTAs) e em 27 Serviços de Assistência Especializada (SAE) em HIV/Aids existentes no Pará, que são vinculados às Secretarias Municipais de Saúde. Os exames podem ser feitos de forma anônima. Nesses centros, além da coleta e da execução dos testes, há um processo de aconselhamento ao usuário, para facilitar a correta interpretação do resultado. 

 

Julius Caesar M. S. Monteiro

Infectologista

Mestre em Medicina, Doutorando em Doenças Tropicais (NMT/UFPa)

Médico-área IFPA/Campus Belém

Fim do conteúdo da página
-->